COLUNAS

SETOR MOVELEIRO SE ADAPTA À VENDA PELA INTERNET 

Joanir Smarçaro_ crédito Syd Lucas

 

Joanir Smarçaroda Móveis Conquista, comenta que as compras online neste segmento, antes da pandemia, eram de 5% e já aumentou para cerca de 20% 

Muitos comércios tem se adaptado as vendas online. Mas, um setor, em especial, sofre com algumas dificuldades para se ajustar a este novo formato devido ao comportamento do consumidor. No segmento de móveis, o empresário Joanir Smarçaro, da Móveis Conquista, explica que os clientes tem uma característica específica, de preferir visualizar o produto de perto, tocando nas peças e conferindo todo o design do produto.    

“Não temos ainda uma estimativa exata do setor. Mas, no nosso caso, podemos perceber que houve um aumento nas compras pelo site da loja de cerca de 20%. Isso contraria a queda em torno de 75 a 80% das vendas físicas. Então, devido a esta característica do nosso público, mesmo com a nossa plataforma online bem preparada, optamos por fazer agendamentos para atendimentos na loja com dia e horário marcado, obedecendo todas as orientações para a saúde e segurança de todos: funcionários e clientes. Com isso, conseguimos elevar a porcentagem de venda para cerca de 30%, reunindo os dois formatos de atendimento”, destaca. 

Mesmo com um grande impacto no setor, o empresário segue otimista e confiante de que a situação deve se resolver e o comércio se recuperar. “Claro que estamos tendo prejuízos com a paralização das atividades. Mas, acreditamos muito numa recuperação rápida, quando houver a reabertura e, possível, normalização dos negócios, pois a nossa empresa trabalha muito com pé no chão, de forma sólida. Ninguém está tão preparado assim, para algo que parou o país e o mundo, mas temos que voltar a investir. Estamos com a empresa sólida e um estoque pronto. Então, a gente deve sentir menos”, afirma. 

O momento também pede a união entre todos e a marca capixaba, com 39 anos de mercado, está confiante na recuperação do setor e, também, de que tudo isso irá passar. “Hoje, nós temos muito estoque pronto para atender as vendas e contamos também com uma equipe preparada. Estamos orgulhosos com todo empenho e dedicação dos nossos profissionais, que têm se empenhado para manter a produtividade, mesmo em meio as dificuldades deste período. Acho que ainda este ano voltamos a trabalhar normalmente”, acredita. 

Empregos 

Com cerca de 260 funcionários atualmente, o Grupo Conquista – que conta com quatro lojas nos estados do Espírito Santo e da Bahia, além de um Centro de Distribuição e uma fábrica da marca – não promoveu demissões neste período. “Na nossa empresa nós estamos praticamente zero de desemprego, mas no setor, em geral, já acredito aí em 20 à 25% de desemprego, que é muito grande”, diz.  

O formato adotado pelo empresário teve a adesão da equipe para tentar garantir a execução dos serviços para manter as vendas online. “Logo no início do fechamento do comércio, demos férias coletivas, tanto nas nossas lojas, quanto fábrica. Depois disso, a gente retomou o trabalho com a loja fechada e uma produção menor. Agora, a turma está mais envolvida na organização dos produtos e a equipe de loja voltada para o atendimento aos clientes no formato online e presencialmente com dia e horário agendados”, conclui. 

COMENTÁRIOS