COLUNAS

CASA DO CERVEJEIRO COMEMORA 10 ANOS COM 100 LITROS DE CERVEJA GRATUITOS NESTA QUINTA-FEIRA (DIA 19)

Flávio Barone

 

A Casa do Cervejeiro, o mais tradicional reduto da cerveja do Espírito Santo, completa 10 anos em 2019. E, para celebrar a data, muita cerveja como protagonista: serão servidos 100 litros da bebida gratuitos para quem for brindar o aniversário. Entre as atrações da festa estará a apresentação musical da cantora Lu Nogueira, cardápio especial, parabéns com direito a bolo temático e apresentação de novidades. A entrada será gratuita.

Comandada pelo único mestre-cervejeiro no Estado formado na Alemanha, Flávio Barone, a Casa do Cervejeiro nasceu com a missão de servir bem, com exclusividade e bom atendimento, sendo um braço da cultura cervejeira em Vitória. E, foi assim, que construiu sua história. Desde a abertura, em 2009, o espaço funciona no Hortomercado, na Enseada do Suá, e desde então, é o lugar onde os apreciadores da bebida se reúnem para experimentar cervejas além da tradicional Pilsen. Na Casa do Cervejeiro há cervejas especiais e artesanais, de famílias e sabores a serem desbravados. Enquanto degusta blondes, IPAs, Weissen de uma coleção que pode chegar a quase 150 opções de rótulos abrangendo todas as escolas cervejeiras, os apreciadores da bebida podem desfrutar de boa e acessível gastronomia.

Por seu pioneirismo, a Casa do Cervejeiro também foi a primeira a apresentar aos capixabas as novidades do mundo cervejeiro. Foi o primeiro estabelecimento a trazer para o Estado o chope Guiness, produzido em Dublin, na Irlanda, e a cerveja escura mais vendida no mundo. O sucesso se refletiu no volume de vendas: mais de 100 litros do chope foram consumidos em uma hora. Também foi a primeira loja a trazer o chope Hofbräuhaus (vulgo HB), que é o mais vendido durante a Oktoberfest de Munique, na Alemanha.

E, por falar em Oktoberfest, a Casa do Cervejeiro foi pioneira em realizar edições capixabas da maior festa folclórica em celebração à cerveja, sendo imperdível para os apreciadores da bebida e de boa diversão.

Barone, que é graduado em engenharia cervejeira pela Universidade Técnica de Munique, Alemanha, e especialista em processo de fermentação, foi o responsável por desenvolver cervejas que fizeram sucesso por serem saborosas, mas também extremamente inusitadas.

A primeira destacada por ele foi uma do tipo Red Ale, produzida para o lançamento de um empreendimento imobiliário em Guarapari, para ser harmonizada com a moqueca capixaba, preparada pelo renomado chef Juarez Campos. A Red Ale levou na formulação ingredientes tradicionais do famoso prato: pimenta, urucum e coentro.

Porém, a queridinha de Barone, considerada a mais marcante é a “Robusta”, primeira cerveja produzida com café conilon do mundo, que foi lançada na Conferência Internacional de Coffea Canéfora, em 2012. Com médio teor alcoólico (4,5%), a bebida é do tipo Porter – típica do Reino Unido, com agradável sabor amargo –, produzida com matéria-prima importada da Europa. O sucesso foi tanto que ela foi incorporada ao cardápio da Casa do Cervejeiro e é produzida sazonalmente, já que ela é feita com grão cultivado em São Gabriel da Palha, no Noroeste capixaba.

 

Mercado cervejeiro

O mercado cervejeiro manteve crescimento em ritmo acelerado. Dados publicados no Anuário da Cerveja no Brasil 2018, apontam que o ano passado foram abertas 889 cervejarias no país, 270 a mais do que em 2017. No Espírito Santo também não foi diferente: em 2018 foi o Estado onde mais se abriu micro cervejarias no Brasil. Foram 23 em um ano. Apesar de fazer ressalvas ao crescimento, Barone comemora os números, pois segundo ele, revelam que as cervejas especiais estão conquistando o brasileiro, onde a máxima é “Beba menos, beba melhor”.  “Apesar de 92% do consumo de cerveja no Brasil ser do tipo Pilsen, um amplo horizonte vem sendo desenhado. Há uma disponibilidade das pessoas em experimentarem uma cerveja artesanal e se a cerveja for boa, geralmente elas são conquistadas e, assim, abre-se um leque de possibilidades para o apreciador de cerveja e isso que é importante: a oportunidade de experimentar”, comemora Barone.

 

COMENTÁRIOS